Living a dream @ “Convento do Beato”

Os últimos tempos têm sido incrivelmente mágicos. Muito trabalho, (mesmo muito trabalho) é certo, mas não poderia estar mais feliz, e grata, por todos os frutos que tenho vindo a colher.
Lembram-se de vos ter contado sobre um evento alusivo aos Santos Populares no Pátio Alfacinha? Pois imaginem que esse evento foi a 6 de Junho e no dia  logo a seguir  realizava-se um outro evento corporate  de grandes dimensões no Convento do Beato. Tudo sobre a minha tutela. Dia 7 de Junho ficou sem dúvida a ser uma data e dia a recordar.

O evento era dedicado à cultura portuguesa, e a um  elemento chave: o azulejo português.
Os seus diferentes desenhos fazem parte da cultura tradicional e da história  do país. Basta caminhar pelas zonas antigas de Lisboa para vislumbrar-mos um pouco dessa arte.

Cada um dos azulejos utilizados no evento, foi criteriosamente seleccionado para conseguirmos  ter um espaço único com um único objectivo… despertar emoções  e sentidos, intemporais e muito Lusitanos,  dos que por ali passassem.

Um fervilhar  de “informação” sem nunca ser intrusivo ou em excesso.
Idealizei cada uma das peças, pormenor a pormenor.  Cada uma com a sua “personalidade” distinta, transmitia um sentimento único.  O tipo de decoração pelo qual optei, dava asas à criatividade.  O estilo ecletic  reúne  estilos diferentes, não ficando  presa a um único conceito. Características  modernas misturaram-se com o rústico, com o tradicional e com a traça típica portuguesa. Estilos diferentes… uns mais modernos, outros mais antigos, tornavam cada mesa, numa mesa única, mágica, inesquecível.

Este era um evento corporate, para cerca de 300 pessoas, para um cliente internacional – a Amdocs. Um fornecedor Lider de software e serviços para as empresas mais sucedidas de comunicação e media do mundo.
A Amdocs convidou colaboradores, parceiros e diversas personalidades, a visitarem Portugal, a conhecer e viver a verdadeira vida e cultura portuguesa.
E é aqui que nós entramos. A empresa “Faza Heart and Mind Marketing Production Company”   falou connosco, apresentou-nos o conceito e nós ficámos rendidas ao projecto.

Optámos por diferentes tipos de mesa para decorar: mesas de madeira, mesas redondas, mesas corridas, e para cada formato recriei um estilo próprio.

Nas mesas de madeira coloquei verdadeiras grinaldas de verdura e limões frescos. Quase como se cada mesa fosse um limoeiro. As loiças imitavam a porcelana portuguesa antiga. As cores branco, azul e amarelo, populares nos azulejos tradicionais, estiveram sempre bem presentes.


Escolhi naprons brancos em crochê  para usar como individual de mesa. Fiicavam lindos debaixo de cada prato, marcando na perfeição o estilo que eu pretendia.  Como bases para os copos utilizei recriações de antigos azulejos portugueses que mandei produzir para o efeito.

Para as mesas redondas utilizei dois modelos, queria ter variedade e originalidade para ter dinâmica e contrastes no espaço.
Em algumas utilizei toalhas com padrão de azulejos portugueses, sobre a qual coloquei castiçais clássicos  e modernos.

Enquanto noutras mesas optava por usar  toalhas brancas que se enquadravam no restante padrão através da escolha das loiças. As  jarras e os castiçais trabalhados com azulejo, eram de uma elegância indescritível.

A  azulão das jarras combinava com as flores amarelas e as hortenses brancas, no que posso chamar de contraste perfeito. Assim, inseria ao mesmo tempo conforto, charme e um toque puro e sereno tão bem transmitindo pela natureza.

As mesas corridas tinham individuais compridos com padrão de azulejos portugueses e floreiras de madeira revestidas por azulejos do século XVI com arranjos florais rústicos e majestosos. Os castiçais, jarras amarelas e garrafas  em formato peixe estavam incumbidos de completar o padrão das mesas.


Para esta festa existiu muito trabalho de pesquisa. Utilizamos várias peças únicas de high light rentals que foram autênticos marcos da cultura portuguesa. Da guitarra portuguesa,  passando pelas faianças antigas, percorri muitos antiquários em busca de exemplares perfeitos. Peças únicas como o peixe antigo (uma obra em madeira – símbolo de Portugal) e os painéis de azulejos tiveram um importante destaque na zona do bar, cuja bancada revestimos de vinil a simular a azulejaria portuguesa e que tinham por companhia as  antigas e míticas portas portuguesas de madeira.

Uma grande ripa de madeira foi preenchida por pratos típicos portugueses e pelas lindas andorinhas de porcelana.


A decoração não ficou por aqui. Também na zona do lounge recriei o mesmo estilo com sofás e puffs cujo tecido não poderia ser outro que não o dos azulejos portugueses em contraste com a cor branca dos sofás.

Quando finalizei a decoração, dei uma volta pelo espaço.  A sensação que tive era de que tinha recuado no tempo. Estava num cenário magnifico, num jardim fabuloso de um palácio no qual  decorria uma festa encantada. Algo único e completamente diferente.

Olho para estas fotos agora e fico de coração cheio, orgulhosa pelo resultado final.
Foi um enorme privilégio trabalhar para, e com empresas assim. O espaço em si, o Convento do Beato, não poderia ser mais lindo e mágico, simplesmente magnifico e perfeito!
É tão bom estar aqui.